Mente vazia, oficina do sistema da mídia golpista

Mente vazia, oficina do sistema da mídia golpista

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Ditabranda da Elite

Os Herois e os Cúmplices


Folha de S. Paulo, abril de 1964: apoio de primeira hora à ditadura
A sórdida campanha da grande mídia em torno do processo movido pela ditadura militar contra a presidente eleita Dilma Rousseff tenta criminalizar as ações armadas de guerrilheiros contra a tirania “da mesma forma como a Coroa portuguesa atribuiu como criminosa a insurgência política de Tiradentes”, como bem lembrou o jornalista Paulo Henrique Amorim. “E lá estavam as velhas conhecidas familias Marinho, Frias, Mesquita e Civita, da velha mídia, engajadas em demonizar os guerrilheiros, em entusiasmados editorais, colunas e na deturpação do noticiário. Hoje, coerentes com o passado em prol da ditadura, fazem o mesmo ao colocaram suas mãos sujas no processo de Dilma, vilipendiando a verdade”, diz Amorim.
Aqueles que pegaram em armas contra o regime criminoso de 1964, mesmo se estavam politicamente equivocados, foram herois, como herois foram os integrantes da resistência francesa, italiana e iugoslava ao nazismo na Europa. Já os donos dos jornalões foram cúmplices do regime criminoso, o qual eles não apenas apoiaram como – no caso da Folha de S. Paulo – emprestaram veículos impressos e rodantes para ajudar os torcionários. Para estes, a ditadura só podia ser “ditabranda”.
Dos 339 militantes assassinados pela ditadura militar, destaco três, cuja morte completa 40 anos este ano. São eles: Mário Alves, dirigente do Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR), Joaquim Câmara Ferreira (Toledo), dirigente da Ação Libertadora Nacional (ALN) e Eduardo Collen Leite (Bacuri), também da ALN – ambos mortos pelo delegado Sérgio Paranhos Fleury.


Mário Alves (1923-1970) Baiano, filho de latifundiários, participou da União Nacional dos Estudantes (UNE) durante o Estado Novo. Ingressou no Partido Comunista do Brasil (PCB) em 1939 e foi um dos líderes do movimento antifascista em Salvador. Dirigiu os jornais comunistas Novos Rumos e Voz Operária. Com o golpe de 1964, foi preso mas libertado um ano depois em função de um habeas corpus. Crítico da linha moderada do PCB, foi afastado em 1967 junto com outros dirigentes, como Carlos Marighella, Joaquim Câmara Ferreira, Jacob Gorender, Apolonio de Carvalho e outros. Junto com Gorender e Apolonio fundou o PCBR. Foi preso em 16 de janeiro de 1970 pelo DOI-CODI do Rio de Janeiro. Morreu sob torturas no dia seguinte, tendo sido barbaramente seviciado.
Joaquim Câmara Ferreira (“Toledo” – 1913-1970) Paulistano, era jornalista e dedicou sua vida à militância. Ingressou no PCB em 1933 e dirigiu diversos jornais do partido. Liderou o trabalho clandestino no setor ferroviário. Preso e torturado no DOPS durante o Estado Novo, elegeu-se vereador em Jaboticabal (SP) pelo PCB. Perdeu o mandato em 1947, com a cassação do registro do PCB. Foi para a URSS realizar estudos políticos. Em 1967, rompeu com o PCB pela esquerda e, junto com Carlos Marighella, fundou a Ação Nacional Libertadora (ALN). Participou do sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrik em setembro de 1969, que foi trocado por 15 presos políticos. Preso em São Paulo em 23 de setembro, Toledo foi levado para um sítio clandestino e torturado pela equipe do delegado Sérgio Fleury, onde morreria em consequência dos ferimentos. Segundo as informações oficiais, ele morreu no dia 23 de outubro, mas essa foi uma armação da repressão para justificar outro assassinato, o de Bacuri.
Eduardo Collen Leite (“Bacuri” – 1945-1970) Mineiro, começou na Política Operária (Polop), vinculando-se posteriormente à Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), da qual se retirou para fundar a Resistência Democrática (Rede) e, em 1969, ingressar na ALN. Participou de diversas ações armadas e foi protagonista de dois sequestros de diplomatas. Preso em 21 de agosto de 1970 no Rio de Janeiro pela equipe do delegado Fleury, Bacuri foi levado para um cárcere privado e depois ao Cenimar (serviço secreto da Marinha) e ao DOI-CODI. Bacuri foi barbaramente torturado durante 109 dias em diversas dependências policiais e militares. Em outubro foi removido para o DOPS de São Paulo. Em 25 de outubro, os jornais divulgaram que Bacuri tinha sido levado para identifcar Toledo e tinha conseguido fugir. Enquanto isso, ele continuava sendo submetido a torturas no DOPS, conforme testemunhas de 50 presos políticos da época, que inclusive realizaram um panelaço para protestar contra a farsa. Uma das mais torpes manchetes da época foi a da Folha da Tarde, de propriedade da Folha da Manhã, que também editava a Folha de S. Paulo: ” METRALHADO E MORTO OUTRO FACÍNORA”.
Bacuri foi retirado da cela com o corpo cheio de hematomas e queimaduras em 27 de outubro de 1970. Nunca mais foi visto.

Reflexões sobre a defesa nacional: Defesa do mar territorial e zona econômica exclusiva

Autor: Vympel1274
Plano Brasil
8. Situação no atlântico sul.
Além da reativação da 4ª frota pelos Estados Unidos, outro país que vêm militarizando o atlântico sul é a Inglaterra, com um aumento do nível de militarização das Falklands (Malvinas, para os argentinos). Hoje em dia, existem cerca de 1.067 militares nas ilhas, que também abriga um esquadrão de caças Typhoon em condições de decolar em missão de interceptação / ataque em cinco minutos. O destróier Type 42 HMS “York” fica ancorado na base aeronaval de Mount Plesant, construída e ampliada desde o fim da guerra de 1982.
Destróier Type 42 HMS “York”
O Eurofighter Typhoon
Recentemente, a Inglaterra passou a explorar petróleo nas Falklands / Malvinas, independente dos protestos argentinos. As Malvinas ficam dentro do limite de 200 mn do mar territorial argentino, mas mesmo assim devido ao fato de seus recursos militares serem muito aquém do necessário, não podem fazer nada, a não ser protestar junto da OEA e da ONU contra a presença Inglesa, com os resultados que todos já conhecemos.
A Argentina não foi capaz de sobrepujar os ingleses dentro de seu próprio território, e hoje vive com um protetorado inglês dentro dos limites de seu mar territorial. Por que o mesmo não aconteceu com Hong-Kong, a qual a República Popular da China reclamava como sua? Somente a economia de Hong-Kong (PIB de USD 252,4 bilhões em 2005), é muito maior que a economia das ilhas Malvinas/Falklands (PIB de USD 75 milhões em 2005). A ilha de Hong-Kong foi entregue á China no ano de 2000. Por que a Inglaterra não manteve a ilha de Hong-Kong?
Ilha de Hong-Kong – PIB de 252.4 bilhões de dólares em 2005
Ilhas Falklands/Malvinas – PIB de 75 milhões de dólares em 2005
A Inglaterra deslocou-se cerca de 12.000 km até as Malvinas, lutou por 100 dias contra a argentina em seu próprio território e venceu. Se a Argentina tivesse forças armadas de envergadura e adequadas para a manutenção de sua soberania, os ingleses arriscariam tanto?
Fuzileiros navais ingleses nas Malvinas /Falklands, em 1982.
Por décadas, ambos os países discutiram sobre a soberania das ilhas. Por alguma razão, a Inglaterra nunca abriu mão de uma ilha com economia irrisória, alegando que o que pesava era a decisão dos Kelpers (ingleses habitantes das ilhas) de permanecerem sob a coroa britânica. Acredito que já se sabia do potencial econômico da área (inclusive o pré-sal brasileiro) há anos, mas somente com as reservas do mar do norte exploradas pela Inglaterra escasseando, é que foi iniciada a prospecção dos blocos petrolíferos nas ilhas Malvinas/Falklands.
Blocos petrolíferos encontrados no entorno das Falklands / Malvinas
A evocação do TIAR (Tratado Interamericano de Assistência Recíproca) por parte da Argentina (o qual foi simplesmente ignorado por parte dos Estados Unidos, que preferiu seu aliado de longa data, a Inglaterra, fornecendo inclusive armamento), demonstra que a simples assinatura de tratados não garantem a segurança de nenhum país, dependendo mais dos interesses momentâneos destes que proferem a “união entre os povos americanos”.
O princípio central do acordo era que “um ataque contra um dos membros será considerado como um ataque contra todos, com base na chamada “doutrina da defesa hemisférica”. Foi conveniente até o dia em que o comunismo foi vencido. Será que podemos confiar em alguém que simplesmente ignora tratados propostos por eles mesmos de acordo com suas necessidades imediatas?
9. A questão energética
“Os países industrializados não poderão viver da maneira como existiram até hoje se não tiverem à sua disposição os recursos naturais não renováveis do planeta. Terão que montar um sistema de pressões e constrangimentos garantidores da consecução de seus intentos”
(Henry Kissinger, 1994, ex-secretário de Estado americano).
A frase diz tudo. Explica muita coisa que acontece no mundo hoje em dia, como a guerra do Iraque, a permanência das tropas americanas no Afeganistão, a guerra das Falklands / Malvinas e as guerras que hoje acontecem na África.
Pressões e constrangimentos são realizados visando desacreditar os países detentores de recursos naturais perante a opinião pública mundial, viabilizando uma intervenção apoiada pela opinião pública mundial. Este trabalho fica mais fácil quando o referido país tem alguma posição ou atitude reprovável perante esta mesma opinião pública. O descaso institucional do Brasil com sua floresta tropical foi o principal alvo desse sistema de pressões e constrangimentos elaborados pelas grandes potências durante os anos 80 / 90.
Pode-se citar o Iraque de Saddam Hussein, o qual foi invadido pela coalizão liderada pelos Estados Unidos em busca de armas nucleares que nunca foram encontradas. O governo era extremamente impopular entre seus próprios cidadãos e também pela mídia mundial, com vários exemplos de atrocidades contra seu próprio povo e seus inimigos, o que só reforça o sistema de pressões e constrangimentos elaborado pelos países industrializados.
O detalhe é que poucas pessoas sabem que Saddam Hussein era praticamente um aliado da CIA durante sua guerra contra o Irã (esse sim, inimigo jurado que os chamavam de “grande satã”), inclusive fornecendo imagens de satélite das tropas iranianas perto da fronteira com o Iraque, o que favoreceu a vitória nessa região pelas forças iraquianas. Interessava aos Estados Unidos que o Irã ficasse enfraquecido militarmente numa guerra contra o Iraque, pois assim não teria condições de causar “problemas” no oriente médio.
Donald Rumsfeld apertando a mão de Saddam Hussein em 1983. Grandes amigos
10. Mecanismos de proteção internacionais
‘‘Quando necessário, quando não houver concordância da ONU com os EUA, faremos a intervenção, onde quer que seja, mesmo sem a aprovação do Conselho de Segurança da ONU’’.
(Bill Clinton, na época da declaração, presidente dos Estados Unidos)
A Organização das Nações Unidas
A partir do momento em que um país sobrepõe seus interesses acima dos órgãos internacionais voltados para tanto, é hora de cada um cuidar de sua própria segurança. Durante a invasão do Iraque, a ONU respondeu negativamente ao pedido dos Estados Unidos para a invasão, e o que todos presenciamos foi a humilhação de uma organização que deveria garantir a igualdade entre os povos. Por que o seu tribunal internacional de justiça não puniu exemplarmente os Estados Unidos por ignorar resolução por ela emitida, mas pune estados nacionais de menor monta? Se não pudermos confiar nossos direitos legítimos á organização mantenedora dos direitos dos países, com quem contaremos?
Prédio sede da ONU, localizado na cidade americana de Nova York
A Organização dos Estados Americanos
A OEA (Organização dos Estados Americanos), por várias vezes durante sua existência, mostrou-se conivente com os interesses de seu principal signatário, os Estados Unidos, como por exemplo a expulsão arbitrária de Cuba da organização, depois desta se definir como uma república socialista (em que pese o período político do mundo naqueles dias) e mais atualmente, esta organização acusou o Brasil por violação dos direitos humanos em relação á lei da anistia, na qual os crimes ocorridos durante o regime militar nunca foram levados á justiça.
“Segundo o secretário-executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (órgão criado pela OEA), Santiago Canton, o caso promete chegar a uma conclusão ainda em 2010. “Nós na Comissão de Direitos Humanos já demos nossa versão, apontando que a manutenção da Lei de Anistia vai contra o que acreditamos ser a direção legal que o continente deve tomar. Mas o governo brasileiro não cumpriu e por isso é que caberá agora à corte dar sua decisão”, explicou.
A missão da Comissão da OEA que irá visitar o Brasil para tratar da questão da anistia tratará também da situação das prisões. O caso do Espírito Santo e as condições reveladas há poucas semanas por organizações não-governamentais (ONGs) serão alvo de um debate entre a OEA e governos estaduais e federal.
Jornal O Estado de S. Paulo
Prédio sede da OEA, localizado na cidade americana de Washington DC
O que me ocorre é que todas as ações do governo militar foram tomadas com o suporte e concordância de Washington, inclusive com treinamento e formação política fornecida pela Escola das Américas, localizada no Panamá, isso sem contar as várias intervenções dos EUA nos países da região, como no caso do Brasil durante a operação Brother Sam , em apoio ao golpe militar no Brasil, e no Chile, com a deposição de Salvador Allende através do Plano Fulbet, levando ao poder um governo militar liderado por Augusto Pinochet, que de acordo com vários relatórios e investigações, cerca de 1.200 á 3.200 pessoas foram mortas, 80 mil foram internadas, e até 30 mil foram torturadas por seu regime, incluindo mulheres e crianças. Isso sem contar as barbáries cometidas em outros locais da América latina e central, pois não haveria espaço para tanto nesta matéria.
Instalações da Escola das Américas, situada no Panamá
São esses “defensores dos direitos humanos” que mesmo sabendo que a guerra do Iraque foi declarada sem o aval da ONU, e que o suposto motivo foi a posse de armas nucleares por este país, as quais nunca foram encontradas, quais pessoas foram responsabilizadas? Quantas famílias iraquianas foram mortas com o desencadeamento da doutrina chamada  “choque e pavor”?
Por falar em prisões, porque a Prisão de Guantánamo ficou tanto tempo em funcionamento, em território cubano, o qual os direitos dos prisioneiros políticos não valiam nada (por estarem fora dos EUA)? E quanto á Abu Graib, porque somente o escalão inferior foi sancionado com penas relativamente leves e ninguém do alto comando foi punido? Lembrem-se que, se um dia estes mesmos homens que tudo isso fizeram vierem até nós, podem fazer o mesmo conosco….
Imagens de Abu Graib (esquerda) e Guantánamo (direita), grandes exemplos de direitos humanos para a América latina e o mundo, de quem tanto nos exige e defende tais princípios.
Tudo que foi visto aqui tem a função de mostrar aos leitores que uma nação verdadeiramente independente tem que necessariamente reunir condições de trilhar seu próprio caminho, e este se faz sem a dependência ou crenças que a assinatura de tratados podem garantir nossa segurança. Os referidos tratados, principalmente quando impostos pelas grandes potências, demonstram interesses em áreas vitais por parte destas (TNP e MCTR). Muitas verdades estão esquecidas ou ocultas na história entre as nações, principalmente as que dominam a mídia mundial, que podem fazer que nações que procuram verdadeiramente seus direitos, sejam incluídas no chamado “eixo do mal” e ainda passar para a história como vilões.
9. Quais as opções para o Brasil?
Depois de todos estes fatos, limitando-se ao aspecto militar, podemos concluir que:
a) O Brasil deve procurar parcerias no setor de defesa, com países que têm necessidades semelhantes de material de defesa, procurando soluções “no estado da arte” para não ficar defasado tecnologicamente, inclusive repotencializando equipamentos  já existentes;
b) As parcerias devem ser feitas com países que sejam neutros politicamente (para não sofrer “bloqueios tecnológicos”), de preferência no seio dos BRIC;
c) É interessante adquirir / desenvolver sistemas de armamentos que tenham seus projetos originalmente voltados para o enfrentamento dos sistemas de combate utilizados pelos nossos possíveis futuros adversários;
d) Desenvolvimento de armamentos de concepção inéditas ou baseados em equipamentos já existentes, mas de eficácia comprovada;
e) Fomento industrial e desenvolvimento tecnológico, visando que a produção e desenvolvimento de sistemas de armamentos futuros sejam realizados no país.
f) Desenvolvimento na área espacial com fins militares, não somente na área de comunicações, mas sim na vigilância marítima, terrestre e aérea, além da análise de emissões eletromagnéticas, análise de imagens e fotografias por radar.
g) Desenvolvimento de equipamentos de guerra eletrônica e de sistemas C4ISR para gerenciamento de dados, para utilizá-los inicialmente em proveito de uma aviação naval baseada em terra e de uma força de submarinos, contra uma força naval agressora baseada em porta-aviões.
Por que os BRIC?
Os países que compõem o BRIC serão possivelmente os futuros contrapesos tanto da economia quanto da política mundial. São países com quem os Estados Unidos não têm controle tanto político quanto econômico (sem dizer militar), e que competirão com eles no futuro. A melhor opção em compra / desenvolvimento de sistemas de armas seria a Rússia, como mostra o rápido desenvolvimento militar da Índia e China, com base na tecnologia russa.
Presidentes do países conhecidos como BRIC. Da esquerda para a direita, o Premiê da Índia, Manmohan Singh; o Presidente da Rússia, Dmitri Medvedev; o Presidente da China, Hu Jintao; e o Presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva.
Por que a Rússia?
Com a sua economia se recuperando, sua indústria bélica é de longe, a mais amadurecida dos países do BRIC, além disso, sua exportação quase irrestrita de armamento e tecnologia (o que não acontece com os Estados Unidos, pois devido á seus interesses globais, não seria inteligente fornecer armamento moderno para quem um dia eles possam entrar em conflito) atinge dois objetivos: o econômico, gerando receitas para a continuidade da pesquisa / desenvolvimento de novas tecnologias e divisas para o país, e o político, no sentido de equilibrar a balança do poder mundial, gerando dificuldade para os Estados Unidos imporem sua vontade política e militar no mundo, equipando países com quem os EUA concorrem com diferenças políticas e militares, multiplicando assim os desafios dos EUA, promovendo uma “diluição” de seu poder de combate global. Os sistemas de armas russos, apesar da tentativa do governo americano de mostrá-los como inferiores, já provaram em diversas ocasiões que, na maioria das vezes são tão bons ou até mesmo superiores que seus equivalentes ocidentais. Além disso tudo, entendendo que as maiores ameaças á nossa soberania vem do eixo EUA / OTAN, a Rússia é o país que nas últimas décadas mais desenvolveu sistemas voltados para destruir / neutralizar os sistemas de armas ocidentais, ou seja, os que possivelmente podem no futuro nos ameaçar.
Sistema de defesa antiaérea S-400 ”Triumph”, de fabricação Russa. Considerado o melhor sistema do seu tipo em uso no mundo.

Nem a Igreja aguenta mais


Berlusconi aproveitando a vida
"E sabe por que o Papa deixa usar camisinha com prostituta? Porque nem a Igreja aguenta mais tanto filho da puta."
José "Macaco" Simão, (na Folha de S. Paulo, edição de hoje).

FUGA DO EURO ASSOMBRA BANCOS E GOVERNOS: IRLANDA AGONIZA. CRISE FINANCEIRA VIRA CRISE POLÍTICA. GRÉCIA REQUER AJUDA ADICIONAL. QUEM SERÁ O PRÓXIMO?



Oposição quer eleições gerais antes do pacote e sindicatos marcam protesto contra o arrocho na Irlanda. Governo tem moção de desconfiança. Mercados assombrados pelo medo de contágio: crise bancária e fiscal na Europa poderá se espalhar dos países chamados periféricos - Grécia, Irlanda e Portugal - para os maiores - Espanha e Itália. Fuga maciça de capitais assombra as noites e angustia os dias de governos e instituições da União Européia. Ações do Banco da Irlanda caíram 36% ontem. Estimativas indicam que o Estado (mínimo) irlandês,virtualmente quebrado, precisará de um papagaio de 65 bilhões de euros para se financiar nos próximos três anos; bancos igualmente quebrados, buscam 30 bi de euros. A preocupação é: de onde virão os compradores para a dívida dos países periféricos se o Euro virar um mico aos olhos dos mercados? (FT, Bloomberg. Leia 'Amnésia neoliberal: Como o Tigre Celta virou um Haiti Financeiro' ; Carta Maior, 23-11) 

A SUPREMACIA DAS FINANÇAS DESREGULADAS: CUSTOS 
"(a desregulação financeira) cria distorções ao comércio que tornam as negociações multilaterais irrelevantes (...) se por anos se negocia uma concessão de redução de uma barreira comercial em 5%, em apenas alguns dias a valorização de uma moeda pode ser bem superior ao impacto do corte tarifário que se debatia" (ministro Celso Amorim; Estadão, 23-11) 

NO AVESSO DA ORTODOXIA QUE ARRUINOU A IRLANDA: 
BRASIL VALORIZA FUNCIONALISMO PÚBLICO 

"...um professor de universidade, com doutorado e dedicação exclusiva, ganhava R$ 2.167,56 em 2002 e, neste ano, com o pagamento da terceira parcela do reajuste escalonado, seu salário é de R$ 10.446,81. Outro caso: os servidores de nível intermediário, setor em que havia muito arrocho salarial, receberam também amplos reajustes. Havia casos em que a remuneração inicial era de R$ 668,00 e no final da carreira só chegava a R$ 1.144,14. Esses valores variam hoje de R$ 2.473,52 a R$ 4.436,50..." (Lula, "O Presidente Responde"; 23-11)

Noam Chomsky: As 10 estratégias de manipulação midiática


por Noam Chomsky*, em Adital

Tradução: Adital
O linguista Noam Chomsky elaborou a lista das “10 Estratégias de Manipulação”através da mídia.
1. A estratégia da distração. O elemento primordial do controle social é a estratégia da distração, que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e econômicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundação de contínuas distrações e de informações insignificantes. A estratégia da distração é igualmente indispensável para impedir que o público se interesse pelos conhecimentos essenciais, na área da ciência, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética. “Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado; sem nenhum tempo para pensar; de volta à granja com outros animais (citação do texto “Armas silenciosas para guerras tranquilas”).
2. Criar problemas e depois oferecer soluções. Esse método também é denominado “problema-ração-solução”. Cria-se um problema, uma “situação” previsa para causar certa reação no público a fim de que este seja o mandante das medidas que desejam sejam aceitas. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja o demandante de leis de segurança e políticas em prejuízo da liberdade. Ou também: criar uma crise econômica para forçar a aceitação, como um mal menor, do retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços púbicos.
3. A estratégia da gradualidade. Para fazer com que uma medida inaceitável passe a ser aceita basta aplicá-la gradualmente, a conta-gotas, por anos consecutivos. Dessa maneira, condições socioeconômicas radicalmente novas (neoliberalismo) foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990. Estado mínimo, privatizações, precariedade, flexibilidade, desemprego em massa, salários que já não asseguram ingressos decentes, tantas mudanças que teriam provocado uma revolução se tivessem sido aplicadas de uma só vez.
4. A estratégia de diferir. Outra maneira de forçar a aceitação de uma decisão impopular é a de apresentá-la como “dolorosa e desnecessária”, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrificio imediato. Primeiro, porque o esforço não é empregado imediatamente. Logo, porque o público, a massa tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que “tudo irá melhorar amanhã” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isso dá mais tempo ao público para acostumar-se à ideia de mudança e de aceitá-la com resignação quando chegue o momento.
5. Dirigir-se ao público como se fossem menores de idade. A maior parte da publicidade dirigida ao grande público utiliza discursos, argumentos, personagens e entonação particularmente infantis, muitas vezes próximos à debilidade mental, como se o espectador fosse uma pessoa menor de idade ou portador de distúrbios mentais. Quanto mais tentem enganar o espectador, mais tendem a adotar um tom infantilizante. Por quê? “Ae alguém se dirige a uma pessoa como se ela tivesse 12 anos ou menos, em razão da sugestionabilidade, então, provavelmente, ela terá uma resposta ou ração também desprovida de um sentido crítico (ver “Armas silenciosas para guerras tranquilas”)”.
6. Utilizar o aspecto emocional mais do que a reflexão. Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curto circuito na análise racional e, finalmente, ao sentido crítico dos indivíduos. Por outro lado, a utilização do registro emocional permite abrir a porta de aceeso ao inconsciente para implantar ou enxertar ideias, desejos, medos e temores, compulsões ou induzir comportamentos…
7. Manter o público na ignorância e na mediocridade. Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão. “A qualidade da educação dada às classes sociais menos favorecidas deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância que planeja entre as classes menos favorecidas e as classes mais favorecidas seja e permaneça impossível de alcançar (ver “Armas silenciosas para guerras tranquilas”).
8. Estimular o público a ser complacente com a mediocridade. Levar o público a crer que é moda o fato de ser estúpido, vulgar e inculto.
9. Reforçar a autoculpabilidade. Fazer as pessoas acreditarem que são culpadas por sua própria desgraça, devido à pouca inteligência, por falta de capacidade ou de esforços. Assim, em vez de rebelar-se contra o sistema econômico, o indivíduo se autodesvalida e se culpa, o que gera um estado depressivo, cujo um dos efeitos é a inibição de sua ação. E sem ação, não há revolução!
10. Conhecer os indivíduos melhor do que eles mesmos se conhecem. No transcurso dosúltimos 50 anos, os avançosacelerados da ciência gerou uma brecha crescente entre os conhecimentos do público e os possuídos e utilizados pelas elites dominantes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o “sistema” tem disfrutado de um conhecimento e avançado do ser humano, tanto no aspecto físico quanto no psicológico. O sistema conseguiu conhecer melhor o indivíduo comum do que ele a si mesmo. Isso significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos, maior do que o dos indivíduos sobre si mesmos.
* Linguista, filósofo e ativista político estadunidense. Professor de Linguística no Instituto de Tecnologia de Massachusetts